Cinco Sentidos - I (Ambiente e Eficiência Energética)

Sobre a primeira das prioridades, ela não nasceu agora, por causa de eleições. Em 2004, foi lançada pela Câmara Municipal de Lisboa a Agência E-Nova, passo pioneiro, para iniciar nesta nossa capital, também Europeia, o trabalho necessário para colocar Lisboa no caminho da sustentabilidade ambiental e energética.
Um exemplo de como se pode governar sem sentido, é saber que a Avenida da Liberdade é das mais poluídas do espaço geográfico em que nos inserimos, ultrapassando, com muita frequência os limites máximos, admitidos pelas normas da União Europeia e, depois, autorizar, na mesma Avenida, horas e horas de exibições de carros de Fórmula 1.
Lisboa deve dar o exemplo de como se pode ser uma cidade grata pelos dons da Natureza. Com tanto Sol, o consumo de energia, nos lares dos Lisboetas, tem cada vez mais de recorrer a essa fonte de energia renovável. Igual preocupação deve ser atendida na promoção da construção sustentável, quer na reabilitação, quer na construção nova. Obrigatoriamente, também nos transportes públicos e na frota municipal, Lisboa deve caminhar para ser cidade-modelo, optando por frotas de carros ecológicos e pelo uso de combustíveis alternativos. Tudo no sentido de os cidadãos cada vez se sentirem mais estimulados a adoptar as boas práticas no sentido do interesse colectivo.
Lisboa e os concelhos limítrofes têm por missão assumir, em conjunto, estas tarefas tão prementes e tão exaltantes. Todos os Concelhos estão certamente conscientes disso, mas também já o estavam sobre a Autoridade Metropolitana de Transportes, há quase uma década, e ela continua por nascer. Temos de obrigar o Poder Central a cumprir a sua parte que, antes de mais, consiste em dar verdadeira autonomia a essa entidade intermunicipal a qual, como se constata, deve ter o seu âmbito alargado às matérias que aqui são tratadas. Por exemplo, também, na construção de unidades de produção de energia eólica, com os devidos intercâmbios entre Municípios, essa convergência é essencial para o sucesso de uma política ambiental comum.
No âmbito das suas atribuições e competências, o Poder Local tem amplo espaço de intervenção no espaço público e na optimização da eficiência energética. E essas deverão ser as suas preocupações cimeiras. Na iluminação pública, Lisboa deve, também, dar o exemplo da colocação de lâmpadas de baixo consumo. Nos espaços verdes, e em todo o espaço público em geral, deve ser prosseguida uma politica de aumento de áreas, com melhoria da sua sustentabilidade, através, designadamente, da reutilização das águas residuais e da utilização de painéis solares. Na prática, vamos estar perante uma Revolução na nossa organização comunitária.
Já existe legislação sobre várias destas matérias, incluindo a da obrigação de se garantir, cada vez mais, a auto-sustentabilidade energética dos edifícios. Mas, lá está, há dizer em discursos, há escrever em leis e há, mais difícil, aplicar na realidade. A questão é, mesmo, a realidade, e essa tem de mudar. Não é só a substituição das fontes de energia que tem que acontecer. Simultaneamente com toda essa reconversão, temos de reduzir os consumos energéticos, com metas ambiciosas que serão expostas no Programa.
Por isso, insistimos que o exemplo tem de vir dos poderes públicos, a começar nos edifícios municipais e nos edifícios do Estado, passando pela gestão do tráfego e a mobilidade, incluindo, também, um enorme trabalho de monitorização, com constante divulgação da qualidade do ar e dos níveis de poluição atmosférica. Esta avaliação e informação são essenciais para que nos consciencializemos, cada vez mais, das vantagens, para todos nós, de cada um dar o seu contributo nesta alteração profunda do modo de vida comunitário. Aqui também entra o Repovoamento, como depois se explicitará.
A meta é colocar Lisboa na linha da frente das muitas cidades do Mundo que já trabalham neste sentido. Só este programa de revolução para a sustentabilidade ambiental justificaria, por si só, um mandato. Para o levarmos por diante é que foi criada, em 2004, a E-Nova, cujo âmbito de atribuições deve ser alargado. Mas há muito mais para fazer. Para fazer sentido.

Dia 13 - Cinco Sentidos - II (Reabilitação e Repovoamento)

13 comentários:

Carlos Conceição disse...

Estava mesmo a ver que viria coisa boa de si caro Santana Lopes, e começou exactamente por aquilo que ninguém tinha falado e ninguém tinha dado importância. É uma pouca vergonha o estado a chegou o ambiente e ninguém se preocupa com ele! Até pessoas que tiveram responsabilidades nas políticas ambientais fazem falcatruas prejudicando o ambiente!
Quanto às corridas de fórmulas 1 acho que foi uma falta de respeito pelos concidadãos de Lisboa! Se querem corridas pois então que construam um autódromo e que não o façam no meio de uma avenida super-emblemática da capital que ainda por cima é muitíssimo poluída.

Cumprimentos para si e para o auditório

Cumprimentos ao auditório e boa tarde.

Henrique Videira disse...

Meu caro Pedro Santana Lopes

O meu conhecimento pessoal já vem de longa data e permita que lhe diga que tenho seguido com muita simpatia toda a sua actuação politica desde os tempos de SÁ CARNEIRO, todavia a realidade do nosso País já não permite devaneios e sobre tudo para os que vêm no TRABALHO a ferramenta da sua subsistência. A CLASSE POLITICA caiu num descrédito que só os que se alimentam dela, activa ou passivamente, é que sobrevivem desafogadamente, embora alguns não tanto como desejariam. Sou um "idoso" que vem do tempo da outra senhora, nascido em Lisboa, precisamente atrás do PARQUE MAYER na Rua da Alegria, regressando, depois de 20 anos em VISEU, às origens. Hoje ao serviço de uma multinacional espanhola estou precisamente no seio desse local onde nasci e a verificar com tristeza que há 50 anos a harmonia e atractivo que existia não se abrilhantou de forma a constituir o mesmo atractivo que tinha, salvo o entusiasmo de alguma iniciativa privada que espera vir a ter a compensação do seu investimento quando surjam autarcas probos e capazes de AMAR LISBOA HISTÓRICA que MARQUÊS DE POMBAL soube erguer com tanto orgulho e que é o orgulho dos Lisboetas.
Um grande abraço e que DEUS o ajude
Henrique Videira Rodrigues

Anónimo disse...

Uma das coisas que acho bem neste blog é o facto de não se comandar em função da agenda. Hoje o senhor Sá Fernandes anunciou a construção de um jardim no local trágico do Aquaparque. Hoje o senhor António Costa mandou expulsar à força pessoas com enormes dificuldades que ocuparam casas da Câmara QUE ESTAVAM VAZIAS(!). Estas pessoas não terão onde viver e esta Câmara(como sempre tem feito) é indiferente ao sofrimento das pessoas como o fez nas cheias e no incêndio em prédios que, se bem me lembro, eram da Avenida da Liberdade.
Quanto ao assunto de que fala neste post acho que tem toda a razão. Se você ganhar até o ambiente vai ficar melhor!

Pedro Santos disse...

A Câmara de Lisboa bem precisa de uma reciclagem de políticas e de políticos! Acima de tudo precisa de si na chefia, para que a cidade volte a "e-novar".

Anónimo disse...

Gostei muito deste blog, quer da parte gráfica quer do conteudo.
Agora faz SENTIDO
Vamos todos dar SENTIDO a uma Lisboa Feliz, adaptado aos novos tempos. OS CINCO SENTIDOS É UMA IDEIA FANTÁSTICA!
Boa malha. Nao percam a musica que estava na introdução. Fico a aguardar os outros sentidos. Bom começo. Enfim, vamos outra vez SENTIR lISBOA!
I

FR disse...

Pedro
Mais que os pensamentos politicos valorizo os actos. Mais que as obras espectaculares, valorizo as obras que, grandes ou pequenas, ajudam e consolam aqueles que, já tendo uma vida dificil a veem agravada pelo desleixo dos que tendo responsabilidade, ficam indiferentes. Parte do que Lisboa tem de bom, ou foi feito ou projectado por ti: a reabilitação urbana, o túnel, o asfalto das estradas,etc,etc,até às flores nos canteiros. Esta candidatura era um imperativo. BEM-VINDO

Anónimo disse...

Ambiente e transportes.O caminho passará provavelmente pela restrição ao acesso de viaturas ao centro de Lisboa. Pergunta: Pode não ser esse o caminho mas já se estudou? Com projectos para tantas coisas, neste caso um estdo prévio podia mostrar soluções.
Cumprimentos e felicidades

António Assunção disse...

Não gosto propriamente do seu partido. Nem estou acostumado, sinceramente, a votar na direita, pois não me revejo em muitos dos seus principios.
No entanto venho aqui dizer-lhe que pode contar com o meu voto em Lisboa.
Simplesmente porque prefiro quem faz, e corre o risco de errar, a quem não faz para não errar.

Luis Melo disse...

Um exemplo de como se pode governar sem sentido, é saber que a Avenida da Liberdade é das mais poluídas do espaço geográfico em que nos inserimos, ultrapassando, com muita frequência os limites máximos, admitidos pelas normas da União Europeia e, depois, autorizar, na mesma Avenida, horas e horas de exibições de carros de Fórmula 1.

Ora nem mais. Sabe o que é? é a sede de promoção, de falatório. É o marketing de TV e jornal. É a campanha (esta sim) suja. São estes os únicos interesses de certos autarcas como António Costa.

O trabalho importante, e muitas vezes invisível, fica esquecido. Estes autarcas querem é aberturas de telejornais, páginas de jornais e revistas, entrevistas ás rádios. E isso, infelizmente, neste país só se consegue com circos destes, e não com trabalho.

Anónimo disse...

O QUE PENSA FAZER EM RELAÇÃO AO ESTADO DE DEGRADAÇÃO DA AV. ALMIRANTE REIS? MORO NOS ANJOS E O MEU VOTO DEPENDE GRANDEMENTE DE QUEM SE INTERESSAR REALMENTE PELO SÍTIO ONDE MORAMOS. OA MEUS FILHOS TÊM QUE VER PESSOAS A INJECTAR-SE A TODAS AS HORAS E ISTO É INSUSTENTÁVEL NUMA CIDADE NORMAL. QUANTO AOS SEM ABRIGO SE RECUSAREM A SER ACOLHIDOS EM CENTEOS, ACHO ISTO TAMBEM SURREALISTA. NÃOACHO NADA QUE A "LIBERDADE INDIVIDUAL" TENHA ALGUMA COISA A VER COM ESTA PSEUDO-ESCOLHA, DEGRADANTE PARA TODOS.

M. Correia disse...

E as centenas de pessoas que são diariamente agredidas em sua própria casa por ruído vindo de bares e discotecas, com a complacência das autoridades?

Joao Carrazedo disse...

As trapalhadas e as constantes mudanças de camisola , só pelo poder ,do Zé Fernandes e da Helena Roseta são prova das dificuldades do Dr. António Costa em ganhar Lisboa.
O grande projecto político de AC não é Lisboa mas sim o lugar de secretário Gral do PS. Daí que aposte tudo, as fichas todas neste combate, utlizando desesperadamente armas perigosas, pouco éticas, ataques e ofensas pessoais.
gostava de residir em Lisboa para acompanhar de perto a campanha.
Vou tirar uns dias de férias para poder sentir o pulsar das gentes de Lisboa, muitas de origens Transmontanas como eu, que saberão distinguir os dois projectos - um realmente por Lisboa, liderado por quem já foi primeiro ministro, em ciscunstâncias muito difíceis(PSL) e outro que quer, a todo o custo, vir a sê-lo (António costa).
Coragem e sernidade.
A. João Roodrigues - Porto

Anónimo disse...

Caro Pedro Santana Lopes

Pergunte ao Dr. Costa que meios dispõe para a limpeza e poda das arvores em lisboa....Há mais de 3 anos não cortam as arvores na zona de Benfica onde vivo.
Obras demoradas, mal feitas e de fachada, são agora o emblema do Dr. Costa e seus muchachos.

Força para a vitória!